1 ano de Nebulosa!

Hoje, dia 10 de abril de 2010, é um dia mais do que especial. Hoje, nossa primeira saga completa exatos 365 dias.

Foram 365 dias que ficamos inspirados juntos, sofremos bloqueios criativos juntos, mas, principalmente, rimos e sofremos. Juntos, é claro.

Há exato um ano atrás, eu era apenas Douglas Marques, um mísero adolescente com um livro com menos de 100 páginas que havia escrito quatro meses atrás. Nenhum reconhecimento, se não uma comunidade no Orkut com pouco mais de 35 membros.

Não que hoje minha situação tenha mudado muito; mas meus rumos e sonhos, estes sim, mudaram drasticamente.

Há um ano atrás, quando finalmente comecei a delinear os contornos de Sarah Lambert, Lynx, Aurea, Polaris, Lyra e Tia April, jamais imaginaria que conseguiria algo mais do que uma comunidade, também no Orkut. É claro que isso não significava que eu não desejava mais do que isso. Porque os céus e meus amigos, ah, como eles sabiam que eu desejava MUITO mais do que isso… E hoje, começo a acumular reportagens, destaques e matérias em jornais de circulação nacional. Talvez seja um sonho que comece a se concretizar vagarosamente…

Falando em amigos, o que seria de Nebulosa sem eles? Por mais que Nebulosa possa me trazer inúmeros benefícios, reportagens e dinheiro, nenhum bem se compara aos amigos que adquiri e às amizades que fortaleci ao longo dessa jornada. Comecemos do começo.

A primeira pessoa que ouviu a sinopse destes três livros que seriam escritos: Isadora Barretto. Quem é ela, se não a responsável pelos três livros estarem escritos, e hoje, disponíveis para leitura? Não foram poucas as broncas que levei, os conselhos, e os elogios. Poucos têm a sorte de ter uma amizade tão bela e firme como essa. Eu amo você, primeira de todas as leitoras.

Logo depois, quando as primeiríssimas linhas já começavam a surgir, outra amiga me surpreende de uma forma que rarissímas vezes vemos na vida. Marcela Antunes. Ainda não entendi nosso conceito de amizade, mas é quase que uma irmandade. Ela também é culpada por tudo o que veio a acontecer nos últimos 365 dias.

E, logo depois, a criadora da capa de um livro que viria a mobilizar quase 200 jovens. Daniela Carneiro. Eis aqui um exemplo de quando uma amizade se alia à gentileza, bondade, e acima de tudo, amor. Dani, como é permitido aos amigos mais íntimos (ou não HAHA), sempre soube como colocar para baixo esse escritor com crises de auto-estima. Muito obrigado, Dani. Você é uma amiga e tanto!

E agora, por último, antes de agradecer à um grupo em especial: Mel Geve. Aqui está uma menina que é capaz de fazer você morrer de rir. Mel foi sempre aquela apaziguadora, a capaz de fazer tudo ser muito mais fácil do que realmente seria sem ela. Minha companheira escritora, minha amiga pacificadora… Eu amo você, sabia Mel?

E, deixei em último lugar um grupo especial: Nossos Romances Adolescentes (NRA)/Caindo de Boca. A NRA foi, verdadeiramente, a minha incubadora. Lá, aprendi tudo o que deveria saber para fazer um livro, para escrever, para formar um caráter de cidadão do mundo. Não estou dizendo que lá tem tudo o que precisamos, pelo contrário. Lá não tem nada do tipo “dicas para escrever”. O que tem lá, são pessoas. Pessoas com sentimentos, experiências, amizades, e acima de tudo, pessoas com senso de responsabilidade pelos outros que os cercam. A NRA é uma grande família, a família que criou meu senso de escrita, de estética. Há uns dias atrás, me perguntaram, se sem a NRA, eu ainda escreveria. Respondi mais ou menos assim: “Sim, escreveria. Mas, com certeza, sem a NRA, eu não seria escritor.” Um grande beijo à essa família, que hoje criou sua mais nova vertente: o Caindo de Boca, que pode ser acessado ali na barra lateral. Viram? HAHA. Essas meninas prometem…

Não, eu não esqueci dos outros. Desde JP Hergesel até Laura, minha fiel leitora. É que as fotos de vocês deram pau. HAHA

Enfim, esse pequena parte do post é para mostrar o quanto sou grato à vocês, pessoas que insistem em me acompanhar enquanto vou trilhando esse caminho cujo único destino é o sucesso como escritor.

Mas, é claro, não poderia me esquecer da continuação de Nebulosa. Colisão começou a ser escrito em agosto, e foi finalizado em dezembro. Um livro que arrancou não só lágrimas e risos de seus leitores, mas também de seu autor, que foi surpreendido com a morte prematura de uma personagem principal e fundamental à história. Mas um autor tem que fazer, o que um autor tem que fazer.

Ainda em dezembro, com algumas lágrimas nos olhos, comecei a derradeira aventura de Sarah Lambert: Supernova. A cada capítulo que finalizo, é como se um pedaço de fim fosse arrancado com uma pinça imaginária. Mas são pedaços necessários, em breve Sarah deve dar adeus. Todos nós devemos.

Mudando um pouco de assunto, algumas pessoas me perguntam de onde tirei a ideia de Nebulosa. Pois bem, respondo-as agora. No dia 9 de abril de 2009, estava um calor infernal aqui, onde resido (Céu Azul, no Paraná, ou Fim do Mundo, à esquerda, segundo Mel Geve). Meu ar condicionado estava vomitando, então fui dormir no quarto do meu irmão, com agradáveis 16 graus centígrados. Ao rolar na cama, pensando em meu próximo livro, pensei: Precisamos de super-poderes. Também precisamos de romances. Foi então que imaginei a cena em que Sarah entra no corredor do Projeto Phoenix e conhece os seus novos amigos. Sim, imaginei desde o chão de vidros com luminárias até as paredes transparentes. Nebulosa começaria a ser escrito no dia seguinte.

Por enquanto, não vou postar a capa de Supernova aqui. Porque não tenho uma. HAHAHA! Alguém se dispõe a fazer?

Enfim, acho que devemos encerrar o post por aqui. Quando Supernova finalmente for acabado, fechando essa trilogia mágica, uma parte de mim ficará amarga, intocável. Mas será necessário. Nada é para sempre, e se assim o fosse, a vida não teria graça, já que nossa espécie só é capaz de admirar o curto e o imprevisível. Não deixarei órfãos, deixarei amigos. Não deixarei pessoas tristes, as deixarei reflexivas. Sarah está com todos eles.

E uma pequena mensagem: se você que está lendo este post é um jovem escritor, uma dica: confie em você mesmo. A vida não é fácil, e não sou o único que sabe disso. Mas a confiança é a cama elástica que lhe permitirá dar saltos cada vez maiores em direção ao desconhecido. Permita-se sonhar, sem que nem seus pais possam podar seus objetivos. Não espere deles, por serem pais, um eterno grito de “você consegue”. Não o tive e hoje estou aqui, concluindo meu quarto livro. Até hoje meu pai não entende porque escrevo, e mesmo assim continuo, batalhando pelo impossível, correndo atrás do imaginável, permitindo-me sonhar cada vez mais alto… E, quem sabe, daqui há um ano, estarei aqui, nesse mesmo blog, dizendo: Nos encontramos numa livraria para o lançamento de Nebulosa.

Eu sonho, e você?

Enquanto isso, Sarah continua fitando os olhos castanhos de Lynx, sobre o infindável brilho daquela camada de calor que recobre ambos os corações…

Anúncios
Etiquetado , ,

6 pensamentos sobre “1 ano de Nebulosa!

  1. Isa disse:

    ”Não foram poucas as broncas que levei, os conselhos, e os elogios.” SÓ A GENTE SABE NÉ DHUSIADHSAUIHASUIHDUASID qe lindo Douglas,eu amei 😦 obrigada,mas a verdadeira estrela daqui é você 😉

  2. marina :B disse:

    ai doug, nao te conheço mt bem, tu sabe disso e eu tbm,sejamos sinceremos, mas eu me lembro quando eu li nebulosa, parecia que tinha voltado a ser aquela adolescente obcecada por twilight saga, lendo os tres ultimos livros da serie pelo computador pq eles nao tinham sido publicados ainda no brasil haioduhaisdu, enfim, eu nao desgrudava do computador, tu me fez ficar sem estudar pra provas e ir mal no colegio, e eu me orgulho disso,me orgulho de tudo que tu fez e de quem tu é.

    p.s.: chorei lendo o post

  3. nilsenideias disse:

    Não marco as datas de quando começo a escrever as coisas :3 Mas eu deveria, pois depois de um determinado tempo sempre me arrependo. FUUU!

    Você tem futuro, ok u_u Torço muito por ti, pode ter certeza.

    É NÓIS (eu sempre falo isso, né?).

  4. Dani disse:

    “Eis aqui um exemplo de quando uma amizade se alia à gentileza, bondade, e acima de tudo, amor. Dani, como é permitido aos amigos mais íntimos (ou não HAHA), sempre soube como colocar para baixo esse escritor com crises de auto-estima. Muito obrigado, Dani. Você é uma amiga e tanto!”

    Doug, seu coisinho. Chorei riios lendo isso.
    Nem parece que já faz um ano que vc começou Nebulosa. aah, caramba, obrigada pela lembrança, mas você sabe que quem é a verdadeira estrela aqui é você.

    “E, quem sabe, daqui há um ano, estarei aqui, nesse mesmo blog, dizendo: Nos encontramos numa livraria para o lançamento de Nebulosa.”

    daqui a um ano? beem antes disso, se deus quiser, Doug. Nebulosa vai estar nas prateleiras das livrarias, e um exemplar autografado vai estar na prateleira aqui de casa. acredite nisso.

  5. Insira aqui o nome que desejar disse:

    Você tem amigas lindas, se forem tão legais quanto você é, você poderia me apresentar! 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: